O que é SGBD e como funciona

SGBD é a sigla para “Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados” e trata-se de um conjunto de aplicações que auxilia na administração dos dados de um sistema.

Os primeiros softwares, apesar de serem complexos de se desenvolver, realizavam operações simples. Agora, temos softwares capazes de realizar operações extremamente complexas, mas com facilidades no desenvolvimento.

Um grande ponto de mudança para o desenvolvimento de aplicações foi a forma como lidamos com os dados. 

Antes, para armazenar a quantidade de dados que armazenamos hoje eram necessárias salas e mais salas cheias de máquinas enormes. Enquanto hoje temos acesso a um número surpreendente de dados e podemos utilizá-los para entender quais os melhores direcionamentos para nossos negócios. Contudo, é possível facilitar ainda mais esse processo.

Mas o que é isso? Como funciona? Qual sua importância para minha aplicação? Vamos lá!

 

O que é SGBD? 

Em inglês significa Data Base Management System e em português é a sigla para Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados.

SGBD é um conjunto de aplicações para gerenciar uma base de dados. Com essas aplicações é possível visualizar, ordenar, alterar, atualizar e proteger os dados de uma aplicação.

Esse recurso permite que as bases de dados sejam manipuladas de forma a separar o software dos dados e centralizar as ações na base através do SGBD.

Realizando tal separação é possível fazer atualizações somente no software ou somente na base de dados. Permite também que haja protocolos de segurança específicos para dados realizados no SGBD e também que os dados sejam utilizados de forma mais autônoma, como por exemplo a criação de dashboards e demais ferramentas de análise.

Mas existe um único tipo de SGBD? Não! Existem diversas formas de conectar os dados e utilizados dentro de sistemas, logo, temos mais de um tipo de SGBD considerando essas diferenciações.

 

Os tipos de SGBDs

Relacionais – a principal característica de SGBDs relacionais está no relacionamento e conexão dos dados entre si. Os dados são organizados em tabelas e podem conversar, fazendo links entre tabelas e compartilhando atributos.

Não-relacionais – a primeira característica notável em SGBDs não relacionais está justamente em seu nome. O propósito principal não está no relacionamento dos dados, mas sim na facilidade do uso e  alta disponibilidade.

Hierárquico – esse tipo de SGBD leva em conta a hierarquia criada no sistema, ou seja, os links não são feitos entre tabelas como no modelo relacional, mas sim, entre entidades e seus relacionamentos. Uma entidade pai ligada a uma entidade filha por exemplo. 

De rede – um modelo que possibilita ligações complexas em uma estrutura formada por várias listas. Semelhante ao modelo hierárquico, mas sem restrições quanto a hierarquia das entidades.

Orientado a objetos – esse SGBD leva em consideração a orientação a objetos, ou seja, as ligações ocorrem entre os objetos criados.

 

O que é possível fazer no SGBD?

Criar/Gerenciar Usuários

Essa funcionalidade permite que novos usuários sejam criados, alterados ou excluídos e isso é importante para que mais pessoas possam trabalhar com os dados do sistema, ou se for o caso, alterar permissões e até mesmo excluir usuários que não façam mais sentido para a administração dos dados da aplicação.

 

Consultar Dados

É possível consultar os dados dentro do próprio SGBD, seja para auxílio a um relatório de dados específico, contudo, também é possível que a própria aplicação acesse o SBGD para realizar as buscas, de forma simples ou complexa, dependendo da necessidade. 

 

Alterar Dados e Tabelas

É muito comum que as necessidades mudem com o passar do tempo e a aplicação precise ser alterada. Um exemplo simples é a mudança do dígito 9 em todos os celulares do país, uma regra ao qual todos os sistemas deveriam se adaptar.

Para possibilitar a mudança na aplicação, todas as tabelas de dados que recebiam números de telefone precisavam ser adaptadas para computador esse dígito a mais. Também entendo que como consequência, os celulares já cadastrados na base foram alterados para conter o dígito a mais.

 

Excluir Dados

Não é uma funcionalidade usada com tanta frequência, mas ter a possibilidade de poder excluir os dados é muito importante, principalmente, se os dados não fazem mais sentido para a sua empresa e os dados estão ocupando um espaço desnecessário na base.

 

Relacionar Tabelas

Relacionar tabelas é sinalizar que de alguma forma, elas atuam juntas. 

Vamos supor que eu tenha uma tabela de pessoas e uma tabela de pedidos, nesse caso, relacionamos as tabelas para que eu não precise cadastrar todos os dados na pessoa dentro da minha tabela de pedidos, mas sempre que necessário, possa acessar os dados da tabela pessoa através do relacionamento feito entre as duas tabelas. 

Sendo assim, uma funcionalidade essencial para as aplicações em geral.

 

Importar/Exportar Dados

A importação e exportação de dados é essencial para os sistemas como um todo. Importando, eu posso trazer informações extremamente necessárias para o sistema, contudo, na exportação, o ponto chave é a disponibilização das informações para que elas sejam analisadas fora da aplicação de forma centralizada.

Ter um SGBD para sua aplicação significa segurança, confiabilidade, autonomia e rapidez. Centralizar dados, analisá-los, administrar de forma fácil e rápido um dos bens mais valiosos da sua aplicação, as informações. 

CompartilharShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *
Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>